• Simova

6 PRINCIPAIS DIFICULDADES NA GESTÃO DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS

O produtor agrícola lida com diferentes problemas relacionados com a terra,  culturas, o gado, água, os equipamentos e veículos usados em suas atividades.


A gestão de um produtor rural pode ser um tanto quanto desgastante. E traz certas características  bastante ligadas ao meio em que atua. No seu dia a dia de trabalho você passa por contratempos na hora de cuidar e monitorar o seu maquinário?


Veja abaixo 6 dificuldades enfrentadas pelo produtor na gestão de máquinas agrícolas e fique por dentro sobre como superá-las!


1. OS EMPREGADOS NÃO SABEM USAR AS MÁQUINAS AGRÍCOLAS CORRETAMENTE


Esse problema pode ser comum. Muitas vezes, os empregados envolvidos nas tarefas não sabem mexer corretamente nas máquinas agrícolas, o que certamente aumenta os riscos de acidentes, além de atrapalhar o nível de produtividade e comprometer a própria eficiência dos equipamentos.


É importante, por esse motivo, submeter os empregados a um treinamento profissional para evitar que as máquinas agrícolas sejam danificadas pelo uso incorreto, e para reduzir as possibilidades de acidentes com os próprios empregados e com terceiros.


2. A FALTA DE ATENÇÃO E A IMPRUDÊNCIA DOS USUÁRIOS GERAM ACIDENTES


As máquinas agrícolas podem oferecer os melhores serviços, mas é necessário operá-los corretamente. Se o usuário faz uso inadequado do equipamento, é natural que as coisas não saiam do modo esperado e possa causar graves prejuízos.


Levando em conta que todos os usuários saibam operar suas máquinas agrícolas, ainda assim os riscos com acidentes e avarias em equipamentos são uma possibilidade. Afinal, ninguém está livre de erros e sinistros — mas essas possibilidades se multiplicam quando o usuário não trabalha com a devida atenção. Ou quando age com imprudência.


O gestor deve ficar muito atento ao modo como a sua equipe utiliza as máquinas e veículos disponíveis. Por mais experientes que sejam, eles podem ser desleixados em certos aspectos.


Na verdade, devido ao excesso de autoconfiança, alguns profissionais passam por perigos desnecessários. Um exemplo é quando dirigem veículos (como o trator) em alta velocidade ou usam uma máquina visando consumir menos tempo de trabalho e acelerar a produtividade, acreditando que sempre conseguirão manter as coisas sob controle.


O bom trabalhador procura não cometer excessos e desenvolve as atividades com total atenção. E o próprio gestor deverá atuar da melhor forma enquanto estiver utilizando as máquinas agrícolas, ensinado a equipe pelo próprio exemplo.


3. A FALTA DE MANUTENÇÃO E LIMPEZA ADEQUADAS


Outro ponto a ser considerado na gestão de máquinas agrícolas é a necessidade de manutenção periódica e de limpeza. Como se sabe, a manutenção preventiva é a mais recomendada, e também a mais barata para qualquer empreendedor, já que ela reduz as chances de defeitos nos equipamentos.


Cada máquina tem as suas próprias características e o gestor precisa contar com o suporte técnico adequado para cada uma. Realize a manutenção corretiva sempre que for preciso (a máquina deu defeito? O jeito é chamar o técnico especializado!). Mas não deixe de utilizar a manutenção preventiva e preditiva para evitar problemas  desagradáveis.


Tenha atenção em fazer a limpeza correta de suas máquinas agrícolas. Por exemplo, trator e colheitadeira executam diferentes funções e exigem limpezas diferentes também. A colheitadeira, por desenvolver mais operações em condições de cultura seca, está mais sujeita à ação de partículas de palha suspensas na máquina (no sistema de ar quente que circula internamente).


O correto é começar a limpeza desde a plataforma do motor do veículo e, em seguida, trabalhar externamente, seguindo a direção anti-horária e alcançando outras regiões em torno do compartimento do motor (o piso abaixo do motor, a plataforma traseira, a traseira superior do motor e assim por diante).


O uso de ar é comum para tirar a sujeira, mas em alguns casos, será preciso usar água para uma limpeza mais profunda.


A sujeira compromete a eficiência do equipamento e a produtividade do trabalho, contribui para danificar as peças e aumenta o consumo de combustível. Além disso, aumenta consideravelmente os riscos de incêndio.


No caso das colheitadeiras, o ar quente que circula no motor gera uma temperatura elevada demais devido à sua proximidade com o fluxo de ar dos ventiladores. Esse aumento de temperatura pode provocar faíscas.


Quando as máquinas agrícolas estão bem limpas, as chamas não conseguem se espalhar com muita rapidez. Se a fagulha atingir uma área do equipamento que está suja (apresentando, por exemplo, pó de colheita), em pouco tempo as chamas se espalham, provocando um incêndio.


4. A PROLIFERAÇÃO DE PRAGAS


É interessante que até na gestão de máquinas agrícolas, o produtor rural tenha que lidar com esta dificuldade: as pragas.


Todos sabem o que as pragas representam para o setor do agronegócio, pois comprometem as plantações, destruindo-as e criando problemas na hora da colheita.


Consequentemente, o produtor pode ter grandes prejuízos financeiros  por causa delas.

Pois saiba que pragas e doenças podem alcançar outras regiões de sua propriedade por meio dos pneus das máquinas agrícolas. É necessário observar ainda se os pneus não estão levando pedaço de soja comum para zonas onde é cultivada a soja transgênica (o inverso também é válido).


5. A DEPRECIAÇÃO DAS MÁQUINAS AGRÍCOLAS


Essa é uma realidade que o produtor rural deve encarar, mas pode retardar ao máximo a necessidade de substituição dos equipamentos. As máquinas agrícolas são produtos, em geral, de preço alto, mas possuem a vantagem de apresentar uma durabilidade que também é alta, principalmente se forem bem conservadas.


Por isso, mais uma vez se insiste na necessidade de realizar a manutenção preventiva e preditiva em todas as máquinas , ajudando assim o equipamento a dar o melhor de si e manter sua eficiência por um tempo mais longo.


Para manter o equipamento em bom estado é necessário ainda usá-lo corretamente, sem forçar demais e respeitando o manual de instruções.


Atualmente, algumas empresas alugam máquinas, mas cabe ao produtor pensar nos prós e nos contras para decidir se o aluguel realmente compensa, se implica em menos custos e se será mais vantajoso que a aquisição da máquina.


6. OS ACIDENTES MAIS COMUNS


Independente das causas que os provocaram, o produtor deve ficar atento aos acidentes mais frequentes com máquinas agrícolas, como:

  • acidentes devido a erros operacionais com os implementos;

  • tombamento ou empinamento das máquinas;choque entre veículos;

  • queda do tratorista;

  • cortes, dilacerações e contusões nos usuários;incêndios (mesmo que sejam breves e de pouca abrangência territorial);

  • choques elétricos;acidentes diversos devido à falta de uso dos equipamentos de proteção individual (EPIs) e dos equipamentos de proteção coletiva (EPCs).


E você, já faz uma gestão eficiente das máquinas agrícolas de seu agronegócio?


Aproveite para seguir a SIMOVA nas redes sociais: Facebook; LinkedIn; Twitter e YouTube!



10 visualizações
  • Facebook - Simova
  • LinkedIn - Simova
  • YouTube - Simova

Av São João, 2504, Jardim das Colinas, São José dos Campos, São Paulo, Brasil, CEP 12242000