• Simova

GESTÃO DE RISCOS: COMO A INTEGRAÇÃO DE INFORMAÇÕES PODE AJUDAR?

A gestão de riscos é um conjunto de ações que toda empresa deve tomar se deseja ter mais segurança. Ela tem a ver com a identificação, a análise e a criação de ações para conter possíveis imprevistos e falhas de processos. A partir dela, torna-se possível definir certos limites de tolerância e identificar se um determinado projeto deve ou não ser executado, desde que os riscos sejam considerados.


A sua realização correta gera a diminuição das ações imprevistas no planejamento e a redução de seus impactos. Eventualmente, ela leva a uma melhora significativa nos resultados obtidos.


Para realizá-la, a integração de informações e o processo podem ser elementos importantes para o sucesso. A seguir, veja qual é a relação entre essa gestão e a obtenção de dados e como realizar a integração.



COMO A INTEGRAÇÃO DE INFORMAÇÕES SE RELACIONA À GESTÃO DE RISCOS?


Os riscos têm tudo a ver com os dados. Quanto mais um negócio conhece sobre seus processos, gargalos e problemas anteriores, melhor é a visibilidade que ele tem a respeito do futuro.


Ainda que a previsão não seja totalmente precisa, é possível ter uma boa ideia do que vem pela frente. No mínimo, é viável vislumbrar cenários e criar planos de contingência para quando os imprevistos se concretizam.


Diante disso, se o empreendimento não tem conhecimento completo, a gestão de riscos é impossível ou, no mínimo, incompleta. É nesse momento em que entra a integração de informações.


Graças a esse recurso, há como manter etapas e dados alinhados. Todos sabem o que acontece e, com isso, há uma atitude muito embasada e preventiva quanto aos imprevistos.


QUAIS SÃO OS BENEFÍCIOS DE UNIR ESSES CONCEITOS?


Quando a integração de informações é associada à gestão de riscos, é fácil controlar ou vislumbrar os cenários. Graças ao grande volume de dados, prever as situações deixa de ser um desafio baseado na adivinhação e ganha alicerces importantes.


Com maior inteligência sobre o empreendimento, é possível fazer uma gestão funcional. Mesmo os riscos longínquos podem ser enxergados, o que aumenta a segurança e diminui os custos.


Para completar, há uma visão holística do negócio. Com isso, as chances de sofrer com problemas são drasticamente reduzidas. Ao final, isso significa uma importante otimização de processos.


A QUAIS SOLUÇÕES RECORRER PARA TER OS EFEITOS DESEJADOS?


Para conseguir ter sucesso na tarefa, é preciso, em primeiro lugar, destinar um setor dedicado à gestão de riscos. Esse é um processo que deve ser incluído na rotina do negócio, para qualquer projeto. Ao criar o hábito, os resultados ficam melhores.


Em um ambiente cada vez mais digital e que exige tarefas automatizadas, também vale a pena contar com a tecnologia. Com um sistema de gestão, por exemplo, fica simples captar e cruzar dados, com a avaliação das situações imprevistas ocorrendo rapidamente.


O ideal, nesse sentido, é investir em tecnologia pensando na integração de conhecimento. É interessante obter informações de todos os setores da empresa e, de preferência, em tempo real. Isso ajuda a criar uma estratégia bem direcionada e que é alimentada corretamente por fatores concretos.


Para tanto, é fundamental que o negócio considere as soluções tecnológicas disponíveis e encontre a que faz maior sentido para o empreendimento. A partir disso, será menos complexo visualizar os perigos, graças aos elementos obtidos pelo recurso correto.


Com uma boa integralização de informações, a gestão de riscos sai muito favorecida. Para tanto, usar a tecnologia é uma saída inteligente e altamente estratégica.


Para ter mais dicas como essas e não perder nenhuma atualização, assine nossa newsletter e fique por dentro das nossas publicações!




5 visualizações
  • Facebook - Simova
  • LinkedIn - Simova
  • YouTube - Simova

Av São João, 2504, Jardim das Colinas, São José dos Campos, São Paulo, Brasil, CEP 12242000